Pular para o conteúdo

A história da Nutrologia e como se tornar Nutrólogo

A Nutrologia pode ser definida como uma especialidade médica que estuda:
A fisiopatologia: como é o desencadear das doenças nutricionais
diagnóstico: como se investiga e se fecha o diagnóstico de uma doença nutricional
tratamento das doenças nutricionais: é clínica, é cirúrgico?
prevenção das doenças nutricionais:

O que são doenças nutricionais? É toda e qualquer doença que tem como agente primário etiológico algum nutriente (macronutriente e/ou micronutriente), seja ele em excesso ou déficit. E aqui é importante salientar que diagnóstico de doenças é um diagnóstico NOSOLÓGICO. Ou seja, é um diagnóstico que deve ser dado por médico. Somente o médico tem capacidade técnica e legal para isso. Nutricional dá diagnóstico? Sim, diagnóstico nutricional, não o de doença. Isso cabe ao médico.

Mas quando surgiu o estudo das ciências nutricionais?

Essa área está presente na Medicina desde os primórdios. O próprio Hipócrates há 2.400 anos nos deixou a célebre frase, “Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio”. Ano após ano, a medicina comprova a relação estreita entre o padrão alimentar (dieta) e a diminuição do risco de doenças crônicas e também da sua importância no tratamento de diversas doenças. Entretanto, se formos traçar uma linha do tempo, de como realmente começou o estudo das início da Nutrição médica ou Nutrologia Médica nos perderemos. Por isso sempre que dou a aula de Introdução à Nutrologia (ou Antropologia da Nutrologia como prefiro denominar) prefiro delimitar tempo (os últimos 100 anos) e espaço (América Latina).

Sendo assim, nesse texto te contarei um pouco sobre como surgiu a Nutrologia na América Latina, focando especialmente no Brasil.

Por volta da década de 20 os estudos sobre ciências nutricionais começaram a engatinhar na Argentina. Naquela época a Medicina estava descobrindo substâncias vitais para a saúde humana. Substâncias estas até então desconhecidas, como as vitaminas do complexo B. A Medicina tinha a preocupação em evitar o déficit de nutrientes, assim como a desnutrição. Pouco se sabia sobre a Nutroprevenção (prevenção do desenvolvimento das doenças através da nutrição do indivíduo). Ou seja, o foco era no descobrimento de uma série de substâncias indispensáveis à vida e que cuja a carência ocasionava doenças (hipovitaminoses). Além disso os “Nutrólogos” da época, davam assessoria aos Ministérios da saúde dos países na tentativa de se definir um tipo de dieta normal para as populações (ou políticas de saúde pública para correção de déficits). Eis que nesse cenário surge um médico argentino, denominado por muitos como o pai da Nutrologia na América latina, o Dr. Pedro Escudero.


Slide da aula introdutória do curso de Nutrologia para acadêmicos de Medicina

O médico Pedro Escudero nasceu em Buenos Aires no dia 11 de agosto de 1877, graduou-se em medicina na Faculdade de Ciências Médicas de Buenos Aires e durante a graduação recebeu uma medalha de honra ao mérito pelo seu desempenho acadêmico. Desde a graduação já apresentava interesse pela temática nutricional e após a faculdade aprofundou-se nos estudos das ciências nutricionais. Na década de 20 foi presidente da Associação Médica Argentina, chefiou serviços médicos de excelência em Buenos Aires, lecionou no curso de Medicina da Universidade de Buenos Aires (UBA).

Naquela época as ciências nutricionais ou medicina nutricional como alguns preferem denominar estava engatinhando e não existia a graduação em Nutrição. Em 1926 Pedro Escudero foi responsável por fundar e presidir o Instituto Nacional de Nutrição da Argentina. Nascia ali o berço da Nutrologia e posteriormente da Nutrição na América Latina. Ele participou de várias conferências médicas na América Latina e na década de 30 definiu que 4 leis regem uma alimentação saudável:
1) Lei da Quantidade,
2) Lei da qualidade,
3) Lei da Harmonia,
4) Lei da Adequação.

Em ação conjunta ao governo argentino, o instituto desenvolveu três grandes áreas dos estudos nutricionais: a investigação de carências nutricionais, a docência e o assessoramento ao governo. Sendo assim os mais diversos profissionais da área da saúde, como médicos, enfermeiros e psicólogos, passaram pela instituição, se especializando em nutrição. Criou em 1941 a Associação Argentina de Dietologia, servindo de modelo para que outros países (incluindo o Brasil) pudessem aprofundar nos estudos acerca da medicina nutricional. Era composta especialmente por médicos dietólogos e por dietistas (que posteriormente viriam a se tornar nutricionistas).

Nutrologia no Brasil

Em 5 de Setembro de 1908 nascia em Recife Josué Apolônio de Castro, mais conhecido como Josué de Castro, graduou-se em Medicina e foi muito influenciado pelo trabalho de contemporâneo argentino Pedro Escudero. Pode-se dizer que foi o primeiro “nutrólogo” brasileiro. Era também professor, geógrafo, cientista social, político, escritor e ativista brasileiro do combate à fome. Pode-se dizer que a Nutrologia brasileira surgiu em 1932 com os estudos do Dr. Josué de Castro. Foi responsável por elaborar o primeiro estudo de inquérito alimentar brasileiro ao avaliar o padrão de consumo alimentar de 500 famílias de bairros operários no Recife. Criou o Serviço de Alimentação e Previdência Social (SAPS, 1940), da Comissão Nacional de Alimentação (CNA, 1945). Criou também a Comissão Nacional de Alimentação na década de 40 e foi idealizador e diretor do Instituto de Nutrição da Universidade do Brasil (1946).


Slide da aula introdutória do curso de Nutrologia para acadêmicos de Medicina

Dr. Josué de Castro foi presidente (1952-1956) do Conselho da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Alimentação e Agricultura (FAO) e Presidente (1960) do Comitê Governamental da Campanha de Luta contra a fome, na ONU. Embaixador do Brasil na ONU, seguiu carreira política e exilou-se na França durante a ditadura militar. No final da vida presidiu a Associação Médica Internacional para o Estudo de condições de vida e saúde (1970).

A Nutrologia como especialidade médica

Um outro pioneiro na área de Nutrição médica no Brasil é o grande Prof. Dr. José Eduardo Dutra de Oliveira. Em 1951 o Dr. Dutra formou-se em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), Após o término da graduação foi para o EUA fazer um fellow na Vanderbilt University (1952-1953), depois para a Tulane University (1954-1955) e posteriormente para a Cincinatti University (1954-1955), totalizando 4 anos de especialização em Nutrição clínica no epicentro dos estudos de ciências nutricionais. Em1956 retornou ao Brasil e foi convidado pelo professor Hélio Lourenço de Oliveira, chefe do Departamento de Clínica Médica (USP-RP) para ensinar e fazer pesquisas em Nutrição/Nutrologia na nova faculdade de Medicina da USP, a USP de Ribeirão Preto. Começou algo totalmente inovador na Medicina, sendo um dos pioneiros na década de 50 no reconhecimento da importância e da necessidade do ensino de Ciências Nutricionais em escolas médicas. Por isso muitos o consideram como um dos pais da Nutrologia. Dr. Dutra foi presidente da Sociedade Latino Americana de Nutrição (1965-1966). Membro emérito da International Colleges for Advancement of Nutrition (ICAN). Membro correspondente nacional da Academia Nacional de Medicina. Foi diretor da USP-RP e ali criou a divisão de Nutrologia no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto (HCFMUSP-RP). Serviço de excelência que existe até hoje e há décadas forma novos Nutrólogos.


Slide da aula introdutória do curso de Nutrologia para acadêmicos de Medicina

A Nutrologia apesar de parecer uma especialidade nova no Brasil, já tem mais de 45 anos, no Brasil sendo representada pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Em 1972 o Dr. Dutra criou o termo Nutrologia e enviou uma carta para o American Journal of Clinical Nutrition informando que haviam criado uma associação de médicos que estudavam Nutrologia e que em breve o Conselho Federal de Medicina (CFM) reconheceria como especialidade. Em 1973 a ABRAN foi oficialmente criada, no Rio de Janeiro – RJ pelos médicos Prof. Dr. José Evangelista (in memorian) e Dra. Clara Sambaquy Evangelista (in memorian). No dia 15 de Setembro comemoramos o Dia do Médico Nutrólogo.

É importante salientar que o termo Nutrologia, proposto pelo Prof. Dr. José Evangelista, e aprovado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Médica Brasileira (AMB), tem também as denominações correspondentes como: Nutrologia Médica, Nutrologia Funcional, Nutrição Médica, que são sinônimos e representam por definição e analogia o termo Nutrologia.

Posteriormente vários médicos deram continuidade ao projeto do casal Evangelista, dentre eles o Prof. Dutra e seus “discípulos” da divisão de Nutrologia do HCFMUSP-RP.

Dr. Hélio Vanuchi:
Dr. José Ernesto dos Santos:
Dr. Júlio Sergio Marchini:
Dra. Selma Freire;
Dr. Fernando Bahdur Chueire:
Dra. Vivian Marques Miguel Suen:

Porém, só em 1978, a Nutrologia foi reconhecida como Especialidade Médica pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pelo Conselho Nacional de Residência Médica (CNRM).

A sociedade responsável pela especialidade no Brasil é a ABRAN. É uma associação formada apenas por médicos e atualmente o presidente da ABRAN é o Prof. Dr. Durval Ribas Filho, médico, endocrinologista e Nutrólogo. A ABRAN organiza a mais antiga pós-graduação de Nutrologia do Brasil (Curso Nacional de Nutrologia = CNNUTRO) e o maior evento de Nutrologia da América Latina, o Congresso Brasileiro de Nutrologia, que ocorre anualmente em setembro (São Paulo). Além disso a ABRAN possui outros cursos.

Outros nomes importantes da Nutrologia Brasileira são:


Slide da aula introdutória do curso de Nutrologia para acadêmicos de Medicina


Slide da aula introdutória do curso de Nutrologia para acadêmicos de Medicina

A ascensão da Nutrologia no mundo

Muitos se perguntam o porquê do boom da Nutrologia em todo o mundo, em especial no Brasil nos últimos 10 anos. Parte disso é em decorrência do maior número de pesquisas médicas na área.

Se no começo da Nutrologia o foco era estudar nutrientes e minimizar o risco de desnutrição, com os avanços da Medicina, hoje conhecemos o que denominados de nutroprevenção, que consiste na capacidade que os nutrientes tem de prevenir doenças crônicas não transmissíveis (DCNT), não só prevenir mas também tratar e mudar o prognóstico de doenças.

Se na década de 20 a 50 as pessoas morriam de doenças infectocontagiosas, de déficit de nutrientes, hoje se morre mais pelas doenças nutroneurometabólicas, tais como diabetes, síndrome metabólica, obesidade, dislipidemias, esteatose hepática. Sendo assim ocorreu uma grande ascensão nas pesquisas relacionadas à parte nutricional. Ao impacto da Nutrição da prevenção de doenças, bem como no tratamento delas. Cada dia se estabelece mais nexo causal entre hábitos errôneos de vida (e isso inclui a dieta) e o surgimento de doenças, além de um papel primordial do estilo de vida em mudar o prognóstico de doenças já desencadeadas. Ou seja, esse reconhecimento da importância (valorização) da alimentação foi crucial para esse boom.

Associado a isso temos também um boom, mas desta vez das redes sociais, no qual culturalmente não basta ter bens materiais, faz-se necessário para alguns, ostentar um estilo de vida mais saudável e compartilhar isso com as pessoas, seja por facebook ou instagram. Vivemos a era dos influenciadores digitais. Triste mas infelizmente é a realidade e isso fez com que a procura por Nutrólogos aumentasse muito. Como há poucas vagas de residências de Nutrologia, bem como de especializações credenciadas à ABRAN, muitos profissionais recorrem a pós-graduações de final de semana (com duração de 1 ano) e após o término já se intitulam Nutrólogos, usurpando o título alheio. Pra completar temos uma prova de título difícil, com aprovação em torno de 10 a 20%. Ou seja, se tornar Nutrólogo no Brasil não é tarefa fácil e poucos querem pagar o preço. 

Resultado disso: boa parte dos que se dizem Nutrólogos na verdade não o são. Cômico se não fosse trágico, já que isso macula a imagem da nossa especialidade, principalmente perante outros profissionais da saúde. Julgam o todo pela parte. Há Nutrólogos péssimos? Sim, porém isso ocorre em todas as especialidades. Há também profissionais excelentes e que dedicam uma vida em prol dos pacientes, como inúmeros nomes da Nutrologia.

Some a isso, a quantidade exorbitante de fake news em saúde. Informação sem credibilidade, com intuito de atrair likes/engajamento e que se espalha como “fogo em palha seca” nas ondas da web. Uma era com sobrecarga de informações porém com pouca seletividade/ciência. Poucos questionamentos sobre a veracidade daquilo. Um verdadeiro crime contra a saúde pública. Pessoas adotando dietas restritivas e desnecessárias, demonizando alimentos e acreditando piamente que um suplemento sintético será superior ao nutriente in natura.

Esse boom favoreceu o surgimento de inúmeros transtornos alimentares, principalmente entre adolescentes e mulheres jovens (anorexia, bulimia, ortorexia, vigorexia). E junto a isso surgiram vários falsos Nutrólogos tentando surfar nessa onda gigante.

Antes fossem só falsos Nutrólogos, agora até dentistas, farmacêuticos, enfermeiros, fisioterapeutas, biomédicos se acham capacitados para diagnosticar doenças nutricionais e prescrever suplementos. Uma grandiosa ciência que demanda anos de estudos se resume a suplementação de fora irracional, iatrogênica e até mesmo criminosa. Pessoas invadindo a Nutrologia e Nutrição, sem ao menos ter o mínimo de compreensão dos processos fisiopatológicos.

E o que esperarmos da Nutrologia para os próximos anos ?

Será que teremos métodos diagnósticos com maior acurácia? Novas drogas no tratamento das doenças nutroeneuromatabólicas ? Será que os famosos testes nutrigenéticos poderão ser aplicados com maior segurança e aplicabilidade? Terapia gênica? Será que teremos uma ascensão da inteligência artificial?

Ou será que o nosso futuro é sombrio, teremos cada vez mais médicos e uma maioria deixando de lado princípios éticos/morais? Médicos optando pela Nutrologia como atalho? Inversão de valores? Dancinhas do Tik Tok? Soroterapia drive thru? Protocolos de tratamentos nos quais se esquece a individualidade de cada paciente?

Uma coisa eu tenho plena convicção, a inteligência artificial não acolhe como um MÉDICO.
A inteligência artificial talvez não consiga fazer o exame físico como UM MÉDICO.
A inteligência artificial não é humana e quem melhor trata humanos SÃO HUMANOS.
Pessoas éticas e bem esclarecidas procuram bons profissionais, éticos e que estudam.

Queria ser otimista quanto ao futuro da Nutrologia, porém diante do atual cenário prefiro ter os pés no chão para não me frustrar. Anseio por avanços científicos, mas até o presente momento, assistimos a uma crise moral levando à decadência de uma arte tão sublime que é a Medicina.

Em que posso contribuir com a Nutrologia? Fazendo o que mais gosto que é ensinar. Ensinar preferencialmente acadêmicos de Medicina que possuem uma visão deturpada da nossa área. Foi com esse intuito que criei o Curso de Nutrologia básica para acadêmicos de Medicina. Ensinar a verdadeira Nutrologia junto de grandes profissionais que fazem parte do Movimento Nutrologia Brasil.



Como e tornar um médico Nutrólogo?

Primeiramente a pessoa precisa cursar os 6 anos de Medicina. Depois há 2 caminhos que podem ser seguidos:

1) Fazer residência de Clínica médica ou clínica cirúrgica  (pré-requisitos) e posteriormente prestar a prova de residência de Nutrologia. Sendo que a residência de Nutrologia tem duração de dois anos. Após finalizar todo esse processo que pode durar de 4 a 5 anos, o médico recebe o certificado de conclusão de residência pelo MEC e pode ir ao Conselho Regional de Medicina solicitar o seu Registro de qualificação de especialista (RQE) em Nutrologia, que consiste em um número que o CRM fornece atestando que você é especialista de fato.

2) Fazer um estágio de 2 anos em um serviço credenciado e reconhecido pela Associação Brasileira de Nutrologia, com carga horária aproximada de 60horas semanais. Com isso o médico tem o aval para a prestar a prova de título de Nutrologia, desde que tenha pelo menos 2 anos de formado. Uma vez aprovado na prova de título, ele solicita via Associação Médica Brasileira (AMB) o seu título e posteriormente leva-o ao CRM para solicitar o número de RQE.

3) Comprovar ser especialista na área de Clínica Médica ou Cirurgia Geral ou; Ter título de especialista em uma dessas duas áreas ou; Comprovação de 4 anos de atuação prático-profissional na área de Clínica Médica ou Cirurgia Geral. Comprovar por meio de declaração assinada pelo responsável pelo treinamento e reconhecida firma ou através de documento autenticado.
+
Comprovação de capacitação por atuação prático-profissional em Nutrologia em período mínimo equivalente ao dobro do tempo de formação do Programa de Residência Médica em Nutrologia, ou seja, 4 anos. Totalizando em 8 anos o período de atuação. Ou seja, precisa ter no mínimo 8 anos de formado. Inscrever-se na prova e ser aprovado na mesma. Solicitar à AMB o seu título e posteriormente levar o título ao CRM local para requerer o número de RQE.

E onde pode-se fazer residência de Nutrologia ou há estágios reconhecidos pela ABRAN?

É uma dúvida muito frequente, então listei todos os locais. Caso queira conhecer mais sobre os serviços, chame no direct @nutrologiabrasil que te colocarei em contato com residentes de qualquer uma dessas instituição. Nós do Movimento Nutrologia Brasil temos contato com boa parte dos preceptores dessas instituições e eles fazem parte do nosso movimento. A maioria ministram aula no curso de Nutrologia básica para acadêmicos de Medicina. Inclusive no primeiro dia de aula, por 2 horas, os residentes ou especializandos de cada uma dessas instituições, falam por cerca de 20 minutos sobre a Rotina dos serviços. A aula é gratuita e ocorre todos os anos. Caso tenha interesse em assistir nos avise. 



Residências de Nutrologia no Brasil

(Todas tem pré-requisito de 2 anos de Clínica médica ou cirúrgica)


Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto (HCFMRP/USP) – Ribeirão Preto – SP há 2 vagas e com 2 anos de duração.

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP) – São Paulo – SP há 2 vagas e com 2 anos de duração.

Hospital Israel Pinheiro: Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (IPSEMG)Belo Horizonte – MG há 2 vagas e com 2 anos de duração.

Hospital de Clínicas – Porto Alegre – RS há 2 vagas sendo 1 para Nutrologia do adulto e 1 para Nutrologia pediátrica. Ambas com 2 anos de duração.

Hospital Ernesto Dornelles – Porto Alegre – RS  há 1 vaga e com 2 anos de duração.

Programa de Treinamento Médico em Nutrologia do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE) IGESP há 2 vagas e com 2 anos de duração.

UNIFESP – São Paulo – SP há 2 vagas para Nutrologia pediátrica e com 2 anos de duração.

Hospital Geral Roberto Santos – SESAS – Salvador – BA há 2 vagas e com 2 anos de duração.

Hospital Universitário Professor Edgard Santos – Salvador – BA há 2 vagas e com 2 anos de duração.



Estágios de Nutrologia reconhecidos pela ABRAN

(Pré-requisitos variam)

Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (IAMSPE) em São Paulo – SP
Há 05 vagas e duração de 02 anos.

Pré-requisito:  Ao menos 02 (dois) anos de graduação em Medicina até a data de início
Seleção: Prova, análise de currículo e entrevista. 
Contato: nutrologia@iamspe.sp.gov.br

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP) em São Paulo – SP
Há 02 vagas e duração de 02 anos.

Pré-requisito:  Residência de Clínica médica ou cirúrgica
Seleção: Prova, análise de currículo e entrevista.
Contato: 

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto (HCFMRP/USP) em Ribeirão Preto – SP
Há 02 vagas e duração de 02 anos.

Pré-requisito:  Qualquer residência prévia, ou título de especialista aprovada pela AMB

Hospital São Joaquim da Real e Benemérita Associação Portuguesa de Beneficência de São Paulo (BP) – São Paulo – SP
Há 04 vagas e duração de 02 anos.

Pré-requisito: Residência Médica em Cirurgia Geral OU Cirurgia do Aparelho Digestivo OU Clínica Médica OU Gastroenterologia OU Medicina Intensiva.
Seleção: Prova teórica, análise de currículo e entrevista 
Há bolsa auxílio mensal.
Contato: (11) 99966-3693  E-mail: pgnutrologia@ganep.com.br
Site: https://www.bp.org.br/educacao-e-pesquisa/selecao-de-cursos-de-especializacao
Edital de 2022: https://www.ganep.com.br/Site2016/wp-content/uploads/2021/12/EDITAL-DE-ESPECIALIZACAO-EM-NUTROLOGIA.pdf

Hospital Felício Rocho em Belo Horizonte – MG
Há 05 vagas e duração de 02 anos.

Pré-requisito:  Graduação em Medicina.
Seleção:  Prova, análise de currículo e entrevista.
Contato: (31) 3248-7281
Site: https://www.residenciaeespecializacao.feluma.org.br

Programa de Treinamento Médico em Nutrologia do Instituto Brasileiro de Estudos e Pesquisas de Gastroenterologia e Outras Especialidades (IBEPEGE) IGESP – São Paulo – SP
Há 02 vagas e duração de 02 anos.

Pré-requisito:  02 (dois) anos de graduação em Medicina
Seleção: Prova, análise de currículo e entrevista 14/02/2023 às 14h.
Contato: (11) 3147-6469; (11) 97079-7440
E-mail: centrodeestudos@hospitaligesp.com.br
Site: https://hospitaligesp.com.br/ptm/nutrologia/
https://hospitaligesp.com.br/wp-content/uploads/2022/09/Edital-Programa-de-Treinamento-Nutrologia.pdf


Dúvida comum: fiz pós-graduação de Nutrologia, posso prestar a prova de título? Não. Ter feito ou não uma pós-graduação de Nutrologia, mesmo que seja a da ABRAN, não te dá direito a prestar a prova de título. Por que? Porque o pré-requisito não é esse. Como já dito acima, se você não fez a residência de Nutrologia ou Estágio em serviço credenciado, para prestar a prova você faz parte do item 3, ou seja, comprovar tempo de atuação. Uma vez comprovado esse tempo, aí está apto a prestar a prova de título. Para saber mais sobre a prova de título, acesse o meu site https://www.provadetitulodenutrologia.com.br/a-prova-de-titulo/

E aqui faço uma observação. Não é porque o médico tem RQE de Nutrologia, ou seja, é de fato Nutrólogo que ele será bom. Há péssimos profissionais titulado. E não é porque o profissional não tem RQE que ele não possa ser um bom profissional. Eu mesmo atuei por 4 anos sem ter RQE, porém, não me divulgava como especialista. Isso é uma infração ética e propaganda enganosa. Não existe nada de errado em atuar na área. A lei ampara a atuação do médico em qualquer especialidade que ele deseja atuar. Porém, é importante salientar que quando ele o faz, assume as consequências por não ser perito na área. 

Mas porque essas proibições pelo CFM? Para evitar que o paciente seja induzido a acreditar que o profissional é especialista. As resoluções do CFM visam resguardar a razão da existência de Medicina, ou seja, o bem-estar do paciente. Com a nova resolução de publicidade médica (2023) o médico até pode divulgar que fez pós-graduação, desde que coloque em caixa alta – NÃO ESPECIALISTA.

Autor: Dr. Frederico Lobo – Médico Nutrólogo – CRM-SC 32.949 | RQE 22.41