Pular para o conteúdo

O movimento Nutrologia Brasil (MNB)

Criação do movimento e ideais

Fundado em 24/10/2014 pelo médico Nutrólogo Dr. Frederico Lobo, inicialmente era apenas um grupo de whatsApp que visava reunir alunos do Curso Nacional de Nutrologia (CNNUTRO) da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Com o passar dos anos o movimento vem crescendo e reunindo cada vez mais médicos com ideais parecidos:

  • Luta árdua e intensa pela moralização da especialidade, pois, infelizmente nos deparamos com o preconceito que os demais médicos possuem com relação à Nutrologia;
  • Esclarecimento sobre práticas não reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela ABRAN, práticas estas que muitos médicos utilizam e induzem os pacientes a acreditarem que fazem parte da Nutrologia;
  • Divulgação da especialidade para profissionais da área da saúde e para leigos, com a finalidade de esclarecer o que é a real Nutrologia ensinada pela ABRAN;
  • Educação continuada através de aulas online, ministradas pelos próprios membros do movimento, a fim de trocar experiência clínica;
  • Necessidade de levar aos acadêmicos de Medicina a verdadeira Nutrologia, visto que a maioria das faculdades ainda não possuem o ensino da Nutrologia na grade;
  • Auxílio mútuo entre os membros, com o objetivo de fortalecer a especialidade;
  • Suporte às ligas acadêmicas de Nutrologia de todo o território Nacional.

Composição

No momento o movimento conta com mais de 127 profissionais médicos, a maioria médicos titulados em Nutrologia, coordenadores de residências de Nutrologia, pós-graduações, professores,  além de residentes de Nutrologia. Temos também Endocrinologistas, Especialistas em Clinica Médica, Gastroenterologistas, Intensivistas, Médicos do esporte.

Frentes de atuação

Contamos com 7 frentes de atuação/interação:

1) Grupo Nutrologia Brasil (WhatsApp)
2) Grupo Nutrologia Brasil acad (WhatsApp)
3) Grupo NUTRO PDFs  (Telegram), para compartilhamento de artigos
4) Curso de Nutrologia para acadêmicos de Medicina – Online e com duração de 2 anos. 100% gratuito, via plataforma google meet
5) Instagram: @nutrologiabrasil e @cursodenutrologia e o instagram das regionais do movimento
6) Site: Movimento Nutrologia Brasil, no qual fazemos divulgação de eventos da área e listamos profissionais titulados que atuam em todo o território nacional.
7) E-mail: dúvidas, sugestões, recomendações: menutrologia@gmail.com

O que defendemos

O que nós médicos do movimento Nutrologia Brasil defendemos:

1) O combate a práticas proibidas pelo Conselho Federal de Medicina: Exemplo Terapia antienvelhecimento, modulação hormonal: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2012/1999_2012.pdf
2) A não prescrição de Dieta HCG para fins de emagrecimento, bem como de métodos sem validação científica. Entendemos que a obesidade deve ser tratada com respeito e à luz das evidências científicas;
3) A não aprovação da prescrição de hormônios para fins estéticos ou para situações em que não há respaldo na literatura. O uso de hormônios deve ser feito somente quando há real déficit laboratorial; http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2012/1999_2012.pdf
4) A não prescrição de Implantes hormonais, assim como de soroterapia fora do contexto da terapia nutricional parenteral;
5) A não publicação de antes e depois de pacientes em redes sociais, já que na nossa visão o paciente não é troféu para ser exposto e tal prática é vedada pelo CFM;
6) A solicitação racional e bem indicada de exames laboratoriais. Devendo essa ser feita de forma complementar à consulta e jamais previamente. Além disso entendemos que o paciente tem liberdade para escolher onde deseja realizar os próprios exames. Ou seja, abominamos conchavos com laboratórios;
7) Manutenção dos princípios éticos e morais ensinados pelos pioneiros da Nutrologia no Brasil;
8) A responsável pela especialidade Nutrologia no Brasil é a Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Ou seja, ela que nos representa e é a ela que levamos nossas demandas.

O que não endossamos

E considerando que,
1) Segundo parecer recente da ABRAN: a prática de modulação hormonal não faz parte do rol de procedimentos Nutrológicos. http://abran.org.br/2018/03/04/posicionamento-sobre-a-modulacao-hormonal/
2) A própria ABRAN já se posicionou que algumas práticas não fazem parte do rol de procedimentos Nutrológicos: https://abran.org.br/2018/03/14/rol-de-procedimentos/
3) Segundo decisão recente do Tribunal Regional Federal 5: a justiça reconhece a resolução do Conselho Federal de Medicina que proíbe a Prática de Modulação hormonal: https://www.endocrino.org.br/terapias-hormonais-trf5-reconhece-resolucao-do-cfm/
4) Segundo resolução Resolução nº 2.333/23 do CFM, que proíbe a prescrição de hormônios para fins estéticos, ganho de massa e melhora de performance;

Decidimos que tais práticas não são endossadas pelo movimento Nutrologia Brasil e nem devem ser atreladas à prática nutrológica. O membro que compactuar com tais práticas é automaticamente desfiliado do movimento de forma perpétua. Não podendo comparecer às reuniões, encontros, eventos científicos organizados pelo movimento.

Filiação

Para o médico adentrar ao movimento Nutrologia Brasil deve:
1) Preferencialmente ser titulado ou ter feito residência de Nutrologia
2) Concordar com todos os ideais defendidos pelo movimento e não endossar as práticas que não concordamos
3) Ser indicado por no mínimo 5 profissionais que sejam membros do movimento.
4) Preencher a pré-seleção e fazer as postagens nas redes sociais deixando claro que endossa o que o movimento defende
5) Estar ciente que caso infrinja as regras do movimento, o nome estará na sessão de “Desfiliados” desse site. 

Assinam esse texto:

Dra. Brenda Bráz
Médica Nutróloga e presidente do Movimento Nutrologia Brasil
Dr. Pedro Dal Bello
Médico Nutrólogo e vice-presidente do Movimento Nutrologia Brasil


Pareceres que embasam as nossas decisões:

Posicionamentos da ABRAN

 

A especialidade responsável por estudar mais a fundo os hormônios é a Endocrinologia e Metabologia e a própria Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) publicou também um posicionamento sobre Modulação Hormonal.
Link: https://www.endocrino.org.br/alerta-sbem-nao-existe-especialista-em-modulacao-hormonal/

Em 2021 a SBEM emitiu um posicionamento sobre uso (e abuso) de implantes de gestrinona no Brasil.
Link: https://www.endocrino.org.br/wp-content/uploads/2021/11/Posicionamento-da-SBEM-sobre-Implante-de-Gestrinona_2021.pdf

SBEM também se posicionou contra o uso de Esteroides Anabolizantes e similares para fins estéticos ou para ganho de desempenho esportivo.
Link: https://www.sbemsc.org.br/wp-content/uploads/2022/09/Posicionamento-da-SBEM-Anabolizantes.docx.pdf

Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE) emitiu em 2022 um posicionamento contrário ao uso de Esteroides Anabolizantes para fins estéticos ou melhora da performance.
Link: https://www.medicinadoesporte.org.br/wp-content/uploads/2022/10/Dr.-Marcelo-DOC-2.pdf

A Associação Brasileira para Estudos da Obesidade e Síndrome Metabólica (ABESO) se posicionou contra a prática de medicina anti-envelhecimento
Link: http://www.abeso.org.br/pdf/Posicionamento%20SBEM%20-%20anti-aging2.pdf

A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) também se posicionou contra a prática de modulação hormonal.
Link: http://portaldaurologia.org.br/medicos/destaque-sbu/nota-oficial/

Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) também se posicionou contra a prática de modulação hormonal.
Link: https://sboc.org.br/noticias/item/1461-posicionamento-da-sboc-sobre-o-nao-reconhecimento-de-especialista-em-modulacao-hormonal

Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) também se posicionou contra a prática de modulação hormonal e terapia antienvelhecimento
Link: https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/647-posicao-da-febrasgo-referente-ao-julgamento-da-segunda-turma-do-tribunal-regional-federal-da-5-regiao-sobre-o-tratamento-de-modulacao-hormonal-para-o-antienvelhecimento

Além de todas as sociedades médicas acima reprovarem a prática de Modulação Hormonal, o Conselho Federal de Medicina (CFM) que é a autarquia que regulamenta o exercício da Medicina no Brasil tem uma resolução no qual PROÍBE EXPRESSAMENTE a prática de modulação hormonal no Brasil. Podendo ser acessado em:
Link: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2012/1999_2012.pdf

Parecer do CRM-SC sobre Implantes hormonais: https://sistemas.cfm.org.br/normas/visualizar/pareceres/SC/2022/28

Tribunal Regional Federal, reconhece as normativas do CFM:
Link: https://www.endocrino.org.br/terapias-hormonais-trf5-reconhece-resolucao-do-cfm/